O Congresso de Milão


O QUE É

O Segundo Congresso Internacional de Educação dos Surdos (ou Congresso de Milão) teve lugar em Milão, na Itália, em setembro de 1880, e o impacto das decisões ali tomadas pode ser sentido até hoje.

O que foi o Congresso de Milão?

Apesar do nome, o Congresso de Milão foi na verdade a primeira conferência internacional de educadores de surdos. Mais de 160 educadores e especialistas reuniram-se entre 6 e 11 de setembro de 1880 para discutir os rumos da educação das pessoas surdas. Esse grupo de pessoas era na maioria ouvinte. Era uma época onde acreditava-se na superioridade da língua falada, considerando as línguas gestuais um retrocesso na evolução da linguagem.

Durante o congresso foram ouvidos doze especialistas no assunto. Apenas três se manifestaram a favor do uso das línguas gestuais como a melhor forma de educar e inserir as pessoas surdas na sociedade: Edward Gallaudet (fundador da Gallaudet University), Thomas Gallaudet e Richard Elliot (um professor inglês).

Quem organizou o Congresso de Milão?

O Congresso foi organizado pela Pereira Society, um grupo de pessoas contra o uso das línguas de sinais. A organização foi fundada na França por Jacob Rodrigues Pereira e era uma forte apoiadora do oralismo. A organização do Congresso de Milão foi uma clara intenção de assegurar a hegemonia do oralismo. A seleção dos participantes do Congresso foi extremamente cuidadosa para garantir que a maioria das pessoas ali presentes fossem a favor do oralismo e reagissem negativamente aos discursos a favor das línguas gestuais.

Quais foram as resoluções do Congresso de Milão?

O resultado do Congresso foram oito resoluções que garantiam a hegemonia do oralismo:

  • A primeira resolução atestava a superioridade da articulação, declarando ser esta a melhor forma de reinserção das pessoas surdas à sociedade e ser o método oral o melhor na educação de pessoas surdas.
  • A segunda resolução considera que o uso simultâneo dos gestos e da oralidade prejudica a leitura labial e a articulação das pessoas surdas, declarando que um método puramente oral deveria ser adotado.
  • A terceira resolução leva em consideração o enorme número de pessoas surdas nãos instruídas e que nem sempre as famílias e instituições eram capazes de suprir essa necessidade, estabelecendo então que é dever do governo assegurar que essas pessoas sejam educadas. A resolução foi aprovada por unanimidade.
  • A quarta resolução, considerando um método de ensino puramente oral, define que a melhor maneira de ensinar as pessoas surdas seria através de um método intuitivo usando a associação da fala com palavras escritas, e expondo as crianças desde cedo a livros e à gramatica da língua escrita.
  • A quinta resolução leva em consideração a falta de livros didáticos suficientes para esses propósitos, declarando então que é dever dos professores do sistema oral desenvolver e publicar os materiais necessários.
  • A sexta resolução baseia-se nos resultados de estudos com pessoas surdas que já não estavam mais na escola, e declara que essas pessoas não perderam suas habilidades de fala e leitura labial, mas sim as aprimoraram através da prática e leitura. Sendo assim fica estabelecido que pessoas surdas devem comunicar-se usando apenas a fala.
  • A sétima resolução leva em consideração as necessidades especiais do ensino de pessoas surdas, e recomenda a idade dos oito a dez anos como a melhor época para que as crianças surdas comecem sua vida escolar. Estabelece também que a educação dessas crianças deve durar de sete a oito anos, e que as classes devem ter até dez alunos.
  • A oitava resolução estabelece uma mudança gradual no método de ensino de instituições que faziam uso da língua de sinais, eliminando pouco a pouco o ensino por meio das línguas de sinais e implementando o método oral.

Impacto do Congresso de Milão na educação dos surdos

Os impactos do Congresso de Milão foram terríveis na comunidade surda em todo o mundo. Estima-se que já na primeira década após o Congresso de Milão o ensino das línguas de sinais já estava quase completamente erradicado das escolas. Privadas das línguas de sinais, crianças surdas no mundo inteiro deixavam as escolas com qualificações e comunicação inferiores.

Apenas 100 anos depois iniciou-se o árduo processo de rejeição das resoluções do Congresso de Milão e a reestruturação da educação das pessoas surdas. Somente em julho de 2010, no 21º Congresso Internacional de Educação de Surdos (sediado em Vancouver, Canadá) houve uma votação formal e todas as oito resoluções do Congresso de Milão foram rejeitadas.


Pintura de Nancy Rourke chamada Milão 1880 em cima da mesa
Pintura de Nancy Rourke chamada "Milão 1880 em cima da mesa" - esta pintura é sobre o Congresso Internacional sobre Educação de Surdos, realizado em Milão, Itália, no ano de 1880, quando a língua de sinais foi proclamada proibida e o oralismo se tornou a lei nas escolas de surdos. As mãos representam os seis americanos que compareceram ao Congresso. São James Denison, Edward Miner Gallaudet, Thomas Gallaudet Jr., Isaac Lewis Peet e Charles Stoddard. Fonte: nancyrourke.com


História em Quadrinhos "O congresso de Milão"

Essa HQ bilíngue para surdos retrata a opressão sofrida mundialmente pela comunidade surda desde que o "Congresso de Milão" (1880-1980) proibiu as línguas de sinais. O personagem Marcelo, surdo sinalizante de língua brasileira de sinais (libras), demonstra, na atualidade, que a forma de conceber o mundo está nos olhos de quem vê e evidencia a dificuldade de comunicação pela modalidade oral (línguas dominantes). No entanto, encontra em um shopping uma colega ouvinte que se comunica em libras e o direciona para uma palestra que irá contar sobre esse período de opressão. O personagem adentra a época narrada e perpassa as principais épocas históricas até retornar aos tempos atuais, finalizando com o destaque e a importância de se comunicar pela língua de sinais, visto que é por meio dela que a comunidade surda tem o conhecimento em suas mãos."

Autores: Profa. Dra. Kelly Priscilla Lóddo Cezar e Luiz Gustavo Paulino de Almeida.

Hq O Congresso de Milao
HQ "O congresso de Milão"

Referências:

UFSC. Historicismo: o Conflito no Congresso de Milão 1880. Disponível em: <http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/historiaDaEducacaoDeSurdos/scos/cap14131/1.html>. Acesso em: 27 Dez. 2019

PHAFFALIBRAS.BLOGSPOT.COM. Congresso de Milão. Disponível em: <http://phaffalibras.blogspot.com/2012/06/congresso-de-milao.html>. Acesso em: 27 Dez. 2019

HUGO EIJI. Congresso de Milão. Disponível em: <https://culturasurda.net/congresso-de-milao/>. Acesso em: 27 Dez. 2019.

JAMIE BERKE. The Milan Conference of 1880: When Sign Language Was Almost Destroyed. Disponível em: <https://www.verywellhealth.com/deaf-history-milan-1880-1046547>. Acesso em: 27 Dez. 2019.

LEANDRO AUGUSTO. O Congresso de Milão - 1880. Disponível em: <https://prezi.com/pjsuhr_dhsac/o-congresso-de-milao-1880/>. Acesso em: 27 Dez. 2019.

NANCY ROURKE. Milan 1880 on the Table. Disponível em: <http://www.nancyrourke.com/milan1880onthetable.htm>. Acesso em: 17 Jan. 2020.

Informações do Artigo:

Publicado: 17/05/17 | Atualizado: 19/03/20 | Acessos: 13187

ALMIRC_RD

Autor:
ALMIR CRISTIANO

© Todos os direitos reservados. Para a reprodução de trechos de texto e/ou imagens é necessário citar o nome do autor, a página https://www.libras.com.br/congresso-de-milao e a data de acesso.

Fale Conosco